Logo IEPG Pós-Graduação

Blog

Professora Alice Chasin recebe prêmio da SBTox

 

A cerimônia de entrega ocorreu durante o XIX Congresso Brasileiro de Toxicologia, que foi realizado entre os dias 7 e 10 de novembro, em Natal, no Rio Grande do Norte. O prêmio leva o nome da Professora. Esther de Camargo Fonseca Moraes, uma figura de notável entusiasmo pela Toxicologia em nosso país, conhecida não só por todos os que se dedicam à Toxicologia no Brasil, mas também por expoentes nacionais que militam em outras áreas do conhecimento.

“A cada CBTox mais revejo profissionais desta área de atuação e me encho de orgulho pelo reflexo que tenho de me virar a cada vez que escuto a palavra professora e, ainda, ser sempre associada à Toxicologia Forense, onde sempre militei como em uma profissão de fé”, discursou Alice Chasin ao receber a premiação. “Participei da formação de centenas de Toxicologistas no Brasil, peritos importantes, profissionais reconhecidos e premiados. Tenho a certeza da sensação de alegria a cada vez percebo o discípulo superando o mestre, como deve ser no ciclo de renovação da vida. Sinto em cada um dos que formei, hoje meus colegas queridos, essa fagulha de paixão pela Toxicologia Forense”, completou a docente. 

Docente discorre sobre a história recente da Toxicologia

Em seu discurso durante a premiação, a professora Alice discorreu sobre a história recente da Toxicologia em nosso país. Relatou seu fascínio pela Toxicologia ainda na graduação do curso de Farmácia. “Para mim, o contato desta Ciência, que tem como objeto de estudo o nexo causal, rapidamente se traduziu em possibilidade de revelar o passado através de dados no presente. O fascínio que se me apresentava foi numa época em que não havia CSI, acreditem os mais novos: já vivemos um dia sem as séries de televisão”, revelou a docente do Grupo Oswaldo Cruz. 

O interesse pela Toxicologia Forense se desenvolveu e ampliou ao prestar concurso, em 1976, ainda recém–formada, para ser Perito Criminal Toxicologista no então STTF do Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo. O desejo do aprofundamento acadêmico a levou a carreira acadêmica onde sempre teve como linha de pesquisa a Toxicologia Forense. O início nas Faculdades Oswaldo Cruz se deu a convite da, então diretora do curso de Farmácia, a Profa. Dra. Maria Aparecida Pourchet Campos, no ano de 1987, onde iniciou as atividades como professora de Toxicologia no curso de Farmácia. “A oportunidade de um doutorado sanduíche em Salt Lake City, nos EUA e uma bolsa de estudos para um programa das Nações Unidas realizado em Buenos Aires me abriram os horizontes da Toxicologia Forense no mundo”, relatou.

Alice Aparecida da Matta Chasin é professora concursada de Toxicologia Forense na Academia de Polícia de São Paulo. Especialista em Análises de Drogas, título conferido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) – Divisão de Narcóticos. Participou de projetos de Drogas de Abuso, coordenados pelo NIDA (National Institute on Drug Abuse). Foi presidente da Sociedade Brasileira de Toxicologia no biênio 2004–2005. É representante no Brasil do TIAFT (The International Asociation of Forensic Toxicologists), associação que possui o objetivo de promover a cooperação e a coordenação dos esforços entre os membros e incentivar a investigação em Toxicologia Forense.

“Tornei–me Representante do no Brasil e de lá para cá a cada Congresso da Sociedade Brasileira de Toxicologia mais e mais acontecem cursos, palestras e debates sobre esse aspecto da Toxicologia com a presença de renomados pesquisadores do Brasil e exterior. De lá para cá, o número de estudantes que buscam esse campo de pesquisa mostra a posição de destaque em que nos encontramos atualmente”, celebrou.

professora-alice-chasin-recebe-premio

professora-alice-chasin-recebe-premio

 

Fonte: http://www.oswaldocruz.br/conteudo_ler.asp?id_conteudo=40466

VOLTAR

Parceiros