Abrir Menu

Preenchimento de nariz: a técnica não invasiva de plástica para a área

A rinoplastia não cirúrgica precisa ser feita por médicos especializados que conheçam profundamente a anatomia da região.


nariz é uma das estruturas mais importantes para a beleza, equilíbrio e harmonia da face. A cirurgia de nariz traz resultados excelentes, mas há casos desesperadores quando o resultado não atinge a expectativa desejada e não pode ser revertida.  
O nariz pode ser melhorado e corrigido com técnicas não cirúrgicas ou não invasivas. A técnica utilizada para essa intervenção não cirúrgica é a de preenchimento. Esse procedimento, quando bem indicado, pode corrigir irregularidade de perfil assim como também é capaz de levantar o nariz, melhorando o aspecto da sua ponta e o rejuvenescimento do rosto.
O preenchimento do nariz pode ser feito com preenchedores seguros e não definitivos aprovados pela Anvisa. Podemos utilizar três tipos de produtos: Ácido hialurônico, hidroxiapatita de cálcio e policaprolactona. Os materiais definitivos como poli metil metacrilato são contraindicados. Os produtos aprovados são aplicados com agulhas ou cânulas em pontos estratégicos para levantar, alongar, retificar ou embelezar o formato do mesmo.
A rinoplastia não cirúrgica precisa ser feita por médicos especializados que conheçam profundamente a anatomia da região, pois há chances de complicações como necrose da pele quando houver injeção do produto dentro ou comprimindo os vasos principais da região.
O procedimento é relativamente rápido, sendo necessária anestesia prévia. O resultado é mediato e a duração fica por volta de 1 a 2 anos.

Siga algumas regras para evitar problemas futuros:

  1. Procure especialista devidamente registrado e bem recomendado;
  2. Entenda bem todos os passos do procedimento, o preparo e os cuidados necessários e o tipo de complicação que possam ocorrer;
  3. Entenda e pergunte sobre as características do produto a ser utilizado;
  4. Siga rigorosamente os cuidados pós-operatórios;
  5. Cuide bem da sua pele e do seu rosto.

 

Fonte: Claudia

Por Comunicação IEPG - Pós-Graduação


Voltar