Abrir Menu

Novo campo de atuação para atuação do farmacêutico na prestação de serviços como prescrição de medicamentos.

A atuação desse profissional além de empenho e coragem, exige bastante especialização,mas alguns profissionais que  já atuam na  


O Zé da Farmácia está de volta: agora por lei as farmácias poderão manter um consultório farmacêutico no local com um profissional especializado para este tipo de atendimento.

Brincadeiras a parte, mas hojes com base nas Resoluções 585 e 586 de 2013, do Conselho Federal de Farmácia (CFF), e da Lei nº 13.021/14, começou a surgir um movimento entre os farmacêuticos, ainda que tímido, de montar suas clínicas para prestação de serviços farmacêuticos à população, dentre eles, a prescrição de medicamentos.

A atuação desse profissional além de empenho e coragem, exige bastante especialização,mas alguns profissionais que  já atuam na  área declararam que é lucrativa. Por esse modelo ser bastante novo, no mercado de varejo principalmente, alguns conhecimentos devem ser prioridade antes de começar os atendimentos.

O que é essencial na hora de abrir as portas:

 

• Infraestrutura completa;

 

• Regulamentação fiscal e sanitária;

 

• Farmacêutico clínico com competências em gestão;

 

• Equipe de RH treinada;

 

• Divulgação à sociedade e aos demais profissionais da saúde da região

Se despertou interesse por esse negócio o primeiro passo é saber como funciona e como é o trabalho, algumas universidades  já oferecem pós graduação na área. O profissional deve ser farmacêutico, graduado como Bacharel em Farmácia por uma instituição de ensino superior devidamente reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC). Ainda, o profissional deve estar devidamente registrado no Conselho Regional de Farmácia (CRF) da sua jurisdição, e não se encontrar impedido por motivos éticos ou administrativos de exercer a profissão. Este primeiro requisito é fundamental para a consolidação do farmacêutico clínico que busca empreender na prestação de serviços farmacêuticos e de saúde direcionados aos usuários de medicamentos.

Por Comunicação IEPG - Pós-Graduação


Voltar